ARTE: ARQUITETA CAROLINA LIMA

Um Blog feito pelos leitores

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

DEU NO BLOG CAMINHOS DAS ALAGOAS - GIANNA PERRELLI

A cultura aconteceu na porta


O objetivo da 1ª Festa Literária de Marechal Deodoro / FLIMAR de cultivar a semente da leitura e da cultura foi atingido.
Complexo Colonial Religioso Franciscano quase totalmente reformado.
Aspecto bucólico das ruas coloniais e praças
Marchal Deodoro, Alagoas
<><>
<>
A lagoa Manguaba é sempre um postal.
Maestro Zezinho
A "canja" do cordel de Jorge Calheiros
Aspecto do estande de comercialização

Teve de tudo na porta do estande dos Caminhos Das Alagoas durante o evento.
Um espaço visitado pelos presentes da cultura literária e da cultura popular. Representada por gente famosa e anônima que faz ou não a identidade cultural da região e da Civilização do Açúcar.



Ele tinha sorriso aberto, desdentado e feliz de quem participava da festa.
Ao pescador e sua corda de caranguejos ficamos devendo o momento.

A ecritora Marina Colasanti, gentil e solícita, atendeu a todos.
Nos deixou a experiência sobre leitura, livros e "ilhas esplendorosas" que somos.

Da escritora Marina Colasanti, que influenciou gerações com seus artigos, crônicas e livros, ao vendedor anônimo da corda de caranguejos - “Vai aí uma caranguejada?!”
Auditório lotado como tem que ser.
Diretores dos Caminhos Das Alagoas
e escritores de Porto Alegre.
Com a escritora Janaína Amado, sobrinha de Jorge Amado.
Com o Secretário de Cultura e idealizador da FLIMAR, escritor Carlito Lima
e os amigos Myrian e Sávio Almeida que também iria proferir palestra.
Comercializando os roteiros
Jair Porto e Fátima felizes com o resultado.
Pra isso serve nossa cultura!
Das “canjas” deixada pelo maracatu “Baque Alagoano” aos, poeta trovador de cordel Jorge Calheiros e trompetista maestro Zezinho, dando show na nossa porta do alto de seus oitenta e seis anos!
Da visitante ilustre, escritora alagoana homenageada, Ariete Vilela ao turista curioso.

A homenageada escritora alagoana Arriete Vilela
O Patrimônio Vivo da Cultura Alagoana, Mestre Zé Hum do pandeiro,
da Chegança, do Pastoril, da Baiana, do todos nós! Mereceu nosso certificado de Eco-Cidadão.
Novos parceiros e amigos, representantes do restaurante Parada de Taipa.
No auditório com trezentos e cinqüenta lugares da Secretaria de Cultura, teve palestra com auditório lotado e outras com quinze queridos e atentos ouvintes.
Nossa palestra sobre “Ecoturismo e Civilização do Açúcar em Alagoas” recebeu quinze atentos ouvintes. Não ousávamos esperar o mesmo público de outras palestras do dia, mas... Faltou interesse ou divulgação? Faltou preparação ou organização?!


Afinal, esperamos do Instituto Federal (antigo CEFET/ Marechal Deodoro), que forma quarenta alunos todos os anos no curso de ensino médio integrado para guias de turismo, o interesse pela temática. Alguém aí está entrando no mercado de trabalho e se interessa pelo turismo em Alagoas?!!! ...




Do cerimonial ouviu-se, advertidamente, que deveríamos antecipar a palestra em uma hora na ausência do palestrante que nos antecedeu, a troco de não esvaziar o auditório. Mas ainda assim alguém assumiu a possibilidade de quebrar o ritmo dos presentes mantendo a programação original já descaracterizada. Ficou nossa mensagem aos que atentaram para a importância do turismo sustentável na região. Ainda apresentamos e homenageamos como propúnhamos os mestres da Chegança Silva Jardim de Coqueiro Seco e a diretora da Escola Adelina de Carvalho Melo da APA de Santa Rita.



Segundo o professor Sávio Almeida citando minutos antes em sua palestra um texto bíblico “muito serão os chamados e poucos os escolhidos”.


Perdeu o meio acadêmico que menosprezou o evento.
Caminhos Das Alagoas e Ovídio, idealizador da FLIP de Paraty.


Enquanto isso, nosso Patrimônio Vivo da Cultura Alagoana,
as artesãs de labirinto e filé de Marechal Deodoro, bordavam.

Lucimar, coordenadora de grupos folclóricos de Coqueiro Seco
recebendo seu certificado de Eco-cidadã dos Caminhos Das Alagoas
e Bia da Luau Turismo.

Com a semente lançada, ganhou a cultura alagoana que mostrou pra que serve!

Aos que apostaram na idéia e usufruíram do evento, cuidem da semente!



Pela ousadia e empenho do Secretário de Cultura, Carlito Lima e Prefeitura, nosso obrigada!
À cidade de Marechal Deodoro, nosso reconhecimento por sua formosura... na porta!

Aguardamos a 2ª FLIMAR!

Para todo mundo entrar na dança, a" canja" do Maracatu Baque Alagoano.
Talento na identidade cultural da Civilização do Açúcar!

Um comentário:

cristal de uma mulher disse...

Aqui a cultura de manifesta como ritual de arte e poesia. Felicito teu trabalho amigo.